A ECONOMIA DO TURISMO NO ESPÍRITO SANTO

O Fato Econômico Capixaba de fevereiro aborda a importância da Economia do Turismo para o desenvolvimento do Espírito Santo. Por meio da oferta de bens e serviços, o turismo é uma importante fonte de geração de receitas, empregos, renda e pode proporcionar a melhoria na infraestrutura das regiões do estado.  Com a exceptiva de crescimento do PIB mundial (3,5%) e brasileiro (2,3%), o cenário permanece favorável para a atividade turística capixaba em 2020.

O Espírito Santo oferece aos seus visitantes diferentes experiências nos seus 46,1 mil Km² de área. O estado possui 410 km de litoral, além de ter regiões de planície, planaltos e serras, proporcionando uma variedade de climas e temperaturas. Em especial, o turismo capixaba tem vocação para o segmento de negócios e do agroturismo. 

O potencial turístico do Espírito Santo também está reconhecido em importantes programas do Governo Federal voltados ao fomento do setor, como o Mapa do Turismo no Brasil e o Investe Turismo. Além disso, no orçamento de 2020, o governo estadual prevê R$ 13,6 milhões para o programa de turismo sustentável. Parte desse valor, que engloba o orçamento da SETUR, será direcionado à modernização e adequação da infraestrutura turística (R$1,1 mi) e “promoção da atividade turísticas” (R$2,1 mi). 

Dada a importância dessa atividade para o Espírito Santo, a economia do Turismo e do Lazer foi identificada por todas as regiões do estado como um Setor Portador de Futuro dentro do projeto Indústria 2035 da Findes. O próximo passo é a elaboração da Rota Estratégica da Economia do Turismo e Lazer do Espírito Santo 2035.

    Acesse o Fato Econômico Capixaba aqui e saiba mais sobre a Economia do Turismo no Espírito Santo.

Regiões Turísticas do Estado

Dos 78 municípios capixabas, 54 deles estão presentes em uma das 10 regiões turísticas do estado mapeadas pelo Ministério do Turismo (Governo Federal) e pela SETUR (Governo Estadual): Caparaó; Costa da Imigração; Doce Pontões Capixaba; Doce Terra Morena; Imigrantes; Metropolitana; Montanhas Capixabas; Pedras, Pão e Mel; dos Vales e do Café; e do Verdes e das Águas. Todas essas regiões possuem estruturas para receber visitantes.