Em junho, Espírito santo fecha 216 postos de trabalho formal

28 de Jul

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho divulgou nesta terça-feira (28/07/2020) as informações do Novo Caged referente à movimentação do mercado de trabalho formal do mês de julho de 2020.

No Espírito Santo, o saldo líquido negativo de postos formais de junho (-216) foi resultado de 17.397 admissões ante 17.613 desligamentos no mês. Apesar de negativo, esse é o melhor saldo registrado desde fevereiro (+3.566), mês que antecedeu o início das medidas de distanciamento social para o combate ao novo coronavírus no estado.

No primeiro semestre de 2020, o estado acumulou um fechamento de 26.930 postos com carteira de trabalho assinada. Apenas nos meses de março a junho, quando estavam em vigor as medidas de distanciamento social para o combate do coronavírus, houve o encerramento de -30.739 vagas celetistas no Espírito Santo. Com esse resultado, o total de postos formais capixabas reduziu em 3,68% em relação a janeiro, registrando um total de 731.275 postos de carteira assinada em junho.

Para o Brasil, foram encerrados 10.984 postos formais de trabalho em junho, menor redução de vagas desde do início das medidas de distanciamento social no país. No sexto mês do ano foram desligadas 906.444 pessoas com carteira assinada e admitidas outras 895.460 pessoas. De janeiro a junho, o Brasil encerrou -1.198.363 vagas formais.

Análise setorial

Em junho, entre os setores, a indústria geral (+530) e a da construção (+512) foram os únicos que expandiram suas vagas formais no Espírito Santo. As atividades com os melhores saldos na indústria foram a manutenção, reparação e instalação de máquinas e equipamentos (+330), a fabricação de produtos alimentícios (+240), a fabricação de móveis (+115), a fabricação de produtos de minerais não-metálicos (+74) e os produtos de metal (+71). 

O comércio foi o setor que mais reduziu postos de trabalho formal (-482) em junho. O setor de serviços (-458) registrou a segunda maior destruição de vagas, influenciado, principalmente, pela redução de postos de trabalho nas atividades de alojamento e alimentação (-705) e transporte, armazenagem e correio (-346). As atividades de educação fecharam 237 postos formais nesse mês, enquanto as atividades de saúde humana e serviços sociais criaram 1.086 postos.

Na agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura houve uma redução de 318 vagas formais no estado em junho.

Resultados municipais

Entre os municípios do Espírito Santo com mais de 30 mil habitantes, nove apresentaram saldos positivos de postos formais em junho. Os melhores resultados foram registrados em Itapemirim (+426), Aracruz (+334), Serra (+170) e Linhares (+133). Os municípios de Vila Velha (-332), Guarapari (-172), São Mateus (-161) e Vitoria (-124) foram os que mais fecharam de vagas celetistas nesse mês.

No acumulado no 1º semestre de 2020, apenas quatro dos municípios com mais de 30 mil habitantes expandiram os postos formais de trabalho: Itapemirim (+531); Alegre (+38); Castelo (+19); e Afonso Cláudio (+3). As maiores reduções de postos formais no estado ocorreram em Vitória (-5.579), Vila Velha (-4.354), Serra (-3.768) e Cariacica (-3.443).


    Acompanhe mês a mês, de forma dinâmica e interativa, a quantidade de empregados admitidos e desligados, além do saldo de postos de emprego com carteira assinada para o Espírito Santo e municípios do ES.