ES acumula redução de 25.819 postos formais nos primeiros cinco meses de 2020

O estado acumulou o fechamento de 25.819 postos de emprego formal, de janeiro a maio de 2020. Este foi o pior resultado da série histórica consultada a partir de 2007. Com isso, em maio, o Espírito Santo contava com 705.456 postos de carteira assinada, uma redução de 3,53% no total de vagas registradas em janeiro. Entre as unidades da federação, o Espírito Santo foi o décimo primeiro estado com maior redução de postos formais no ano.

O saldo líquido negativo de postos formais no ano foi influenciado pela forte redução de postos de emprego ocorrida em abril (-18.556), mês que revelou o maior impacto das medidas restritivas de funcionamento das atividades econômicas no mercado de trabalho formal. As medidas de restrição estavam relacionadas ao combate do novo coronavírus e foram adotadas a partir da segunda quinzena de março.

Em maio, iniciou-se a abertura gradual e alternada de algumas atividades econômicas antes suspensas, como o comércio, por exemplo. Neste mês foram fechados 6.827 postos celetistas, 37% a menos que o total encerrado em abril. Ainda assim, este foi o pior resultado para o mês na série consultada a partir de 2007. O mês de maio, que costuma ter saldo positivo de geração de emprego formal, só havia apresentado redução em 2015, ano em que fechou 2.101 vagas celetistas.

A redução de emprego de carteira assinada no ano foi mais intensa no setor de serviços (-11.391) e comércio (-9.733). Também a indústria geral sofreu com a baixas (-4.959), assim como o setor de construção (-485), apenas o setor agropecuário ampliou postos celetistas no período (+749).

Mais informações setoriais e municipais estão disponíveis na Nota Conjuntural do CAGED. Para acessá-la, clique aqui.

    Grupos de ocupação com maior perda de postos celetistas:

    Vendedores e prestadores de serviços do comércio  (-6.484);

    Trabalhadores dos serviços (-6.204), destes, principalmente aqueles ocupados em serviços de hotelaria e alimentação (-4.200).

O Brasil acumulou o fechamento de 1.144.875 vagas formais no ano, com redução de emprego nos setores de comércio (-446.584), serviços (-442.580), da indústria geral (-236.410) e construção (-44.647). 

Atividades de alojamento e alimentação (-256.268) e da indústria de confecção de artigos de vestuário e acessórios (-48.896) foram algumas das mais afetadas.