Indústria extrativa no ES cai -17,9% no primeiro semestre

A análise do desempenho industrial do Boletim Econômico Capixaba de agosto abordou, entre outros aspectos, a queda da indústria extrativa no Espírito Santo no primeiro semestre deste ano. Com redução de -17,9% em relação ao primeiro semestre do ano passado, a indústria foi influenciada pelas diminuições na produção de óleos brutos de petróleo e na pelotização do minério de ferro.

Nos seis primeiros meses do ano, a produção de pelotas de minério de ferro no Espírito Santo totalizou 13,8 milhões de toneladas, o que corresponde a uma redução de -12,32% em relação ao primeiro semestre de 2018. A produção no segundo trimestre de 2019 foi -21,65% menor do que no primeiro trimestre deste ano. De acordo com o relatório da Vale, esta redução se deveu às chuvas anormais em maio e às paralisações para manutenção das plantas 1, 2, 3 e 4.

Confira aqui a análise completa do Desempenho Industrial no Boletim Econômico Capixaba de agosto.

De acordo com os dados da ANP, a produção de petróleo e gás natural (P&G) totalizou 1,96 milhão de barris de óleo equivalente por dia (MMboe/d) no estado neste primeiro semestre. A produção de petróleo atingiu 1,67 milhão de barris por dia (MMbbl/d), enquanto a de gás natural obteve 45,26 milhões de metros cúbicos por dia (MMm3/d).

Este resultado representa redução de -19,2% no total de P&G em relação ao primeiro semestre do ano passado, com quedas tanto na produção de petróleo (-19,0%), quanto na de gás natural (-19,8%). Em continuidade ao comunicado de julho, em agosto a Petrobras informou o início da fase de venda das suas participações totais nos campos de produção de Peroá e Cangoá, localizados na Bacia do Espírito Santo.

No mês de junho – último dado disponível, a produção total de P&G no estado atingiu 335,7 mil barris de óleo equivalente por dia (Mboe/d), o que corresponde a um aumento de 4,6% em relação a maio. Nesta comparação, petróleo e gás natural aumentaram, respectivamente, 4,8% e 3,6%.

É importante ressaltar que tanto a Vale quanto a Petrobras, empresas atuantes na indústria de extração em todo o Brasil, revisaram para baixo suas projeções de produção para o ano de 2019, de acordo com os informes oficiais das companhias.