Projeção da Selic para o final de 2019 cai para 5,50%, de acordo com Focus

As negociações em torno da Reforma da Previdência continuam como uma das principais pautas econômicas do país. Em 13 de junho, o relator da reforma, deputado Samuel Moreira, apresentou à comissão especial da Câmara propostas de mudanças no texto. Entre os pontos de maior repercussão, destacam-se: a retirada da criação do sistema de capitalização e das mudanças originalmente previstas sobre o Benefício de Prestação Continuada (BPC) e a aposentadoria rural. Foi incluído ainda a proposição de um aumento da alíquota da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) para bancos. Caso a revisão e a aprovação do texto pela comissão especial ocorram em tempo hábil, a votação no plenário pode ocorrer antes do recesso de julho, como prevê o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia.

As expectativas econômicas quanto à Reforma vão para além da política fiscal. Entre elas, esperam-se desdobramentos sobre a taxa de juros e a inflação. O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central tem constantemente sinalizado, em suas atas de reunião, que ajustes e reformas na economia são necessários para a redução do patamar da taxa de juros.

    Em 19 de junho, o Copom manteve a Selic (taxa básica de juros) em 6,50% a.a., taxa constante desde março de 2018. 

    O Copom avaliou que a Selic neste patamar é adequada para a convergência da inflação para a meta de 4,25% a.a. O Comitê ressaltou que a evolução da atividade econômica, dos riscos, das projeções e das expectativas de inflação são condicionantes da política monetária.

Em decorrência do baixo desempenho da economia em abril e maio deste ano, o mercado espera para o terceiro trimestre uma nova redução da taxa de juros.


O Relatório Focus do BC, divulgado em 01 de julho, reduziu as projeções para Selic deste ano, passando de 5,75% na semana passada para 5,50% nesta semana; e de 2020, saindo de 6,50% para 6,00%. Para o fim de 2021 e de 2022, manteve-se a taxa de 7,50% para ambos os anos.

Veja análise completa do cenário econômico acessando o Boletim Econômico Capixaba de junho.