Em abril de 2019, produção industrial capixaba recuou 18% na comparação com abril de 2018

O IBGE divulgou nesta terça-feira, 11 de junho, o resultado da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física (PIM-PF) referente ao mês de abril de 2019. 

Resultados

Em abril de 2019, a produção industrial brasileira recuou 3,9%, com destaque para as quedas observadas nos estados do Pará (-31,0%), Espírito Santo (-18,0%) e Minas Gerais (-10,9%), que comungam entre si as consequências do rompimento da barragem de rejeitos ocorrido em janeiro de 2019. Estes dados reforçam a preocupação em torno da trajetória do setor industrial no período recente. 


No caso específico do Espírito Santo, o recuo de 18,0% do setor industrial é explicado pelo decréscimo na produção das indústrias extrativas (-28,6%) e pela redução da produção da indústria de transformação (-7,3%), reflexo da queda observada no setor de celulose, papel e produtos de papel (-32,7%) e do recuo da produção de produtos alimentícios (-6,4%). O setor de minerais não-metálicos, único com resultado positivo, cresceu 10,0% na comparação entre abril de 2019 e abril de 2018, puxado por ladrilhos, placas e azulejos de cerâmica, granito talhado ou serrado e massa de concreto.



    No período de janeiro a abril de 2019 em relação ao mesmo período do ano anterior, a produção industrial nacional recuou 2,7%, com destaque, mais uma vez, para os estados em que a indústria extrativa possui uma participação importante: Espírito Santo (-10,3%), Pará (-7,8%) e Minas Gerais (-4,8%).

Com essa queda de 10,3%, o estado capixaba apresentou o pior desempenho da atividade industrial no primeiro quadrimestre do ano entre todos os estados pesquisados. Novamente, as indústrias extrativas (-14,7%) e de transformação       (-5,8%) apresentaram queda, com destaque para redução de 32,3% na produção de celulose, papel e produtos de papel. Somente o setor de minerais não-metálicos acumulou alta no período (+11,6%).