A reserva de petróleo no Espírito Santo alcançou 1,8 bilhão de barris de petróleo em 2017, segunda unidade federativa com o maior nível de reservas. Contudo, desde 2008, o Espírito Santo registrou uma queda média anual de 2,9% em suas reservas, grande parte explicada pela não realização de rodadas pela Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP) com participação do Espírito Santo entre 2008 e 2013 e pela queda da atividade dos números de projetos de exploração e produção.

Os projetos de exploração e produção estão relacionados com a atividade de perfuração de poços, visto que essa é a fase inicial da exploração de um campo de petróleo. Entre 2000 e 2016 a perfuração de poços nos campos capixaba teve uma redução média anual de 17,2%, em parte explicada também pela redução de 6,4% das perfurações em nível nacional.

O gráfico abaixo se refere ao comportamento da perfuração nos estados brasileiros desde 1900, divididas de acordo com a bacia de petróleo e a localização por terra e mar. A fonte é a Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP).


A média anual entre 2000 e 2016 das perfurações no Espírito Santo foi de 65 poços. Nos anos de 2015 e 2016, as perfurações estiveram abaixo da média, 37 e 2, respectivamente. A perfurações em mar, com média entre 2000 e 2016 de 25 poços por ano, não registrou nenhuma perfuração em 2016. Já a perfuração em terra, com média entre 2000 e 2016 de 40 poços por ano, registrou 2 perfurações, ambas no campo Fazenda São Rafael, em Linhares.

O ano com o maior número de perfurações foi o de 2009, com 103 perfurações. O campo de destaque, com 11 perfurações, foi o de Jubarte, localizado no polígono do pré-sal. Em seguida, o campo de Santa Luzia localizado no município de Linhares, com 8 perfurações. Ambas perfurações possuem como única operadora a Petróleo Brasileiro S.A.

    Raio X - Perfuração de poços no Espírito Santo (2000-2016)

    • 16 empresas foram responsáveis pelo total de 1.103 perfurações
    • 259 poços foram classificados como produtor comercial de petróleo
    • Dos quais, 120 estão produzindo e 104 estão fechados
    • Os campos com maior incidência de perfuração: Fazenda Alegre  e Jubarte

No Espírito Santo exitem 89 campos produtores comerciais de petróleo em terra que estão fechados, apesar de sua pouca produtividade ao comparar com os campos em mar, esses empreendimentos exigem menores investimentos financeiros, o que reduz o risco associado à atividade de exploração e produção. Esse cenário é propício para os investimentos de pequenas e médias empresas, o que possibilita maior diversificação na cadeia de exploração e produção de petróleo do Estado.